quarta-feira, 12 de maio de 2010

.com dó, nem piedade. sol.


Docente que aprende na decência de ensinar, que transpira melodia e repassa entusiasmo nas expressões várias, várias maneiras de respirar.

Respira inspiração e cativa por não saber ao certo o porquê de querer saber, o que parece certo é o que convém, não que seja certo, mas convém acreditar, acreditar que é possível acreditar mesmo não tendo tanta certeza assim. Respira ar, respira mar e respira...

Miséraveis dúvidas que se fundem confundindo ainda mais a mente que é trabalhadora e trabalhosa.

Fabuloso pode ser o fruto da imaginação ou o que te encantou por ser real, justamente por ser real, não fictício, mas e se fictício fosse?! Se arriscaria a ver mesmo assim um sentido que transcendesse o efêmero?

Sol da madrugada, daquela que acaba quando o galo vai despertar o sono alheio, alheio à mim, porque quando se dorme com o Sol nascendo é respeitoso dar bom dia ao sr. Galo e a estrela maior.

Lá, quando o encontro é digno de respirações, de transpirações, de inspirações, de expressões... deixam-se várias crenças, esquecem-se sentenças, se desligam as confusões mentais ou não... e respira-se, mas do que por necessidade... respira-se por euforia.

Simetricamente não há simetria, há apenas a vontade, a companhia e a oportunidade transformada em ocasião, em bem aventurança, em simplesmente matéria abstrata. (?!)

Do mesmo modo que a Vida segue, eu sigo, você segue, de mãos dadas com Ela, com luva ou sentindo a sua textura, o seu suor, a sua força quando ao apertar a tua mão Ela te pede resistência, te mostra condolência, te implora paciência.




(Mas o que há de mais precioso doque o momento presente? Que é o que se vive agora...)




3 comentários:

  1. Cansei de falar do hoje
    e o amanha quem saberá?
    Já, muitas vezes, tentei falar do amanhã, e previsões nao muito certas obtive.
    O melhor é falar de emoções, não há nem hoje, nem amanhã
    Há apenas o agora.
    O beijo prazeroso
    A lágrima sofrida
    O sexo inventado
    O Amor inevitável...
    O agora nos deixa viver, em todos os sentidos, sem mal-estar, sem punições, pois não há tempo para pensar.
    Apenas vivendo a imprevisibilidade do cotidiano
    Apenas sentindo o voo das emoçoes gozadas.

    É querida emilia, o momento presente é o mais precioso que podemos ter..

    ResponderExcluir
  2. muito legal :D
    você escreve muito bem emília...nao sabia desse teu dom..

    ResponderExcluir
  3. Amigas queridas, sempre presentes :)

    ResponderExcluir