quarta-feira, 16 de junho de 2010

.experiência azul.

Eu precisei.
Certamente se não precisasse não teria passado por tal experiência,
ou não a teria enxergado de tal forma!
Eu necessitei.
Tanto que a encarei e a analisei para com isso absorver ali, no (e do) momento, o que
dela podia extrair de mais essencial.

Eu entendi certas coisas que sem ela não entenderia.
Ela me fez pensar em situações que talvez nem venham a acontecer (para alguns isso seria deixar de viver o presente, para outros apenas precaução ao invés de preocupação, para mim foi somente inevitável).
Mas eu consegui reconhecer a sintonia que houve no momento.
Não me desviei tanto assim a ponto de esnobar a 'causa primeira'.
Ações sempre irão gerar reações.
Jogue uma bolinha na parede e dependendo da força com que você a lançou, saia da direção dela.
Por mais que nem tenhamos noção das consequências, por mais que nem as cogitemos,
elas surgem, às vezes nem as associamos... mas elas têm origem em alguma atitude.
Tem um ditado que diz que 'melhor do que remediar é previnir',
sendo que existem acontecimentos que não se pode ao menos prever,
então só nos resta aceitá-los e se possível dá-los algum xarope ou aquela receita caseira,
conspirando para que assim amenize-os.

Eu não me preocupo com talvez o que te tire o sono.
Existem possibilidades.
Já era amigo, sabemos que o Tempo não volta (e creio que nem desejamos isso).
Acho que já dialogamos sobre.
Acho até que cada um já fez um discurso sobre.
O resto não é tão difícil,
é uma agora,
a outra em outra hora,
nem preciso quebrar a cabeça
pra decorar tantos números assim.

O relógio quem tem a função de marcar as horas,
eu só correspondo ao chamado delas.
Tenho estado atenta.

Voltei ao estado de observação íntima
e sei que isso às vezes me intimida,
mas não me deixarei ficar tímida diante de mim.
Agora estou mais alerta,
a gente muda mesmo a cada instante,
a gente se transforma mesmo de acordo com cada experiência,
ou para ser mais exata de acordo com oque levamos de cada experiência.

Ou pra ser mais exata,  precisão não é sempre o mesmo que exatidão.
Ou pra ser mais precisa, exatamente, eu precisei.

:*

3 comentários:

  1. "Jogue uma bolinha na parede e dependendo da força com que você a lançou, saia da direção dela."

    uma vez não sai e tinha me esquecido da força que tinha lançado e vou te dizer:doeu muito!
    Eu também precisei!

    ResponderExcluir
  2. pqp, me identifiquei mto com esse teu texto, parece que aqule lance que eu te contei pelo msn, de tal pessoa aculá, te inspirou e tal!como diz o teu texto:'melhor doque remediar é previnir',

    e isso é a mais pura verdade!

    ResponderExcluir