quarta-feira, 14 de julho de 2010

.traduzindo.

Está tudo como se nada fosse
e nada me parece abalar.
O silêncio não é apenas ocultação.
Pode ser exposição
Eu preferi me calar a sua presença que me pareceu estúpida .
E sorrir um sorriso que me concretizou estúpida.

Perante qualquer palavra, eu prefiri me silenciar estupidamente.
E creio ser essa a palavra que faltava.


Hoje eu pensei em silêncio.
Com a certeza de não dever satisfações sobre pensamentos meus e inviáveis.
Hoje que hoje foi,
que foi hoje indo para amanhã


A questão talvez seja o ter falado com sinceridade palavras sem aspas.
Mas quem cala nem sempre consente.
E quem fala nem sempre sente.
E vice-versa.
E vire o verso e vide a bula escrita com linguagem médica...
Ou em grego ou em algum idioma qualquer.
Que daqui ha algum tempo será esquecido.
Ou será como o pensamento, intradutível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário