domingo, 4 de setembro de 2011

.'se o amor é como um grão, morre, nasce trigo. Vive, morre pão.'

Todas as belas palavras
mais escritas e
digitadas, do que faladas,
(o que foi dito fica para quem escutou)
eu as agradeço.
Se hoje servem para outras pessoas,
de fato nunca me pertenceram,
empréstimos... sem juros, sem longo prazo.
Todos os sentimentos depositados nelas
esses sim, um dia direcionados para mim...
ficaram no Tempo, onde não posso mais alcançar.
Não é que você seja rápido demais, eu que sou lenta.
Falo do Tempo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário