sábado, 10 de março de 2012

'adios' também foi feito pra se dizer.

Por tanta coisa que eu não consigo esquecer.
Pela minha incapacidade de apagar memórias.
(Talvez por isso se torne mais difícil.)
Eu desisto e presenteio o Tempo com o que houve de bom.
Conceitualmente amor é diferente de respeito.
Existe respeito sem amor, mas existe amor sem respeito?
É a hora de separar, cada coisa em sua gaveta. 
Tem a gaveta de brincos, a de colares, a de pingentes... cada qual com sua importância. 
É apenas questão de organização. Chegou o momento de saber distribuir. Cada pessoa em sua área. 
A vida como integração, como um projeto, que apesar dos imprevistos, vale a pena colocar certa ordem. 
Para as coisas fluírem de maneira mais direcionada. 
Foco, organização e disciplina.
Profissional, acadêmico, afetivo, fraternal, amizades... cada um com seu devido valor, espaço, mérito... 
Mas cada um no seu lugar certo. Sendo tudo emocional, mas cada emoção observada.
Não tracemos mesquinharia nas doações, apenas doando-se de maneira sutil.

Sem enfraquecer-se.
Do que adianta uma grande e admirável filosofia se os atos são falhos e vis?
Digo do que serve a perfeita e até lógica teoria se na prática é lamentável?
Quero apenas falar que não me encantam mais as utopias que nem ao menos nos esforçamos para realizar, nem que seja uma porcentagem pequena, mas suficientemente significativa. 
É tudo tão simples mentalmente. Quero ver arregaçar a manga. 
A energia que vem desses pensamentos é boa, mas anulada quando não posta em prática. 
Se pensas algo belo, faça ao menos algo lindo.
Pratiquemos o que acreditamos ser o certo, o melhor para nós, o menos prejudicial para o outro e que isso não entre em conflito. Pois o que é  verdadeiramente do bem não faz mal a ninguém.
Não falarei de como me sinto, mas tentarei me sentir ao máximo.

O que esteve em mim estará para sempre, de alguma forma.
Dores, amores, desamores, desarmada.
Falácias de mágoa. Palavras jogadas.
Me ver sozinha na rua. Sem ter alguém verdadeiramente do meu lado.
Sorrir e pensar no que mais tenho saudade.

Deixa como está.
Cada um curte a foto, o status e a vida que quiser. 
Cada um se retrata como acha que é.

O que se identificar, admirar ou apenas chamar atenção, para chamar.
Cada um comenta o que achar que vale a pena ser dito.
E se cala diante do que desconhece, quem sabe sempre, se indagando no íntimo.
Continuarei a me arrumar para quem eu quero que me veja bonita, por dentro principalmente.
A beleza exterior é muito efêmera, '
vaptivupte'  

E você já não é aquela pessoa que te associavam ser.
Cada vez mais vou me certificando que o que vale mesmo é aquele velho clichê que diz:
'Mais cultivada deve ser a beleza interior.'

Eu acho que amar é conseguir captar intenções.
Uma vez li que 'o amor é uma porteira fechada'.
Me neguei a absorver a idéia, mas hoje reflito sobre, e concordo.
O Amor sempre deve guardar segredos que só os amantes dividem, momentos que só os amantem compartilharam, é a cumplicidade entre os que se ama(ra)m.