terça-feira, 4 de maio de 2010

.vuela.

O ano começa diferente ...
Uma taça de vinho branco e uvas verdes, não que as uvas sejam as prediletas, mas eu as saboreei.
A supertição (ou a crença) me diz que elas trazem sorte, talvez por isso senti um sabor especial e até alguns caroços nem foram notados enquanto desciam pela garganta. A roupa marrom simbolizava a neutralidade e como objetivo pessoal buscava expressar uma raíz, que quando se finca no solo se confunde com ele e não é notada mesmo quando dela cresce um caule que dá origem a lindos frutos e flores. (Talvez se alguém tropeçar... ela se tornará brutalmente visível).

(...)

Conversas, mas mais do que algumas conversas, incontáveis pensamentos...

(...)

Janeiro se vai... pessoas que por ele se fizeram presentes, talvez porque seja o primeiro mês do ano e estamos na ânsia do novo, damos oportunidade para pessoas estranhas, com idéias distintas e isso é bom. Nos permitimos arriscar! Só de passagem, as férias acabam!

(...)

Pensar, agir, reagir, confundir, expressar, enviar, receber, olhar... olhares que falaram em momentos de silêncio e bocas que calaram em situações barulhentas (tantas combinações!)
Promessas já quebradas e outras já esquecidas, reformulamos os ideais para termos mais uma chance?

(...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário