quarta-feira, 17 de outubro de 2012

.mais do que amor, aceita-se desculpas.

(Perdoar a si e a quem nos feriu, mesmo que não propositalmente.
Às vezes é somente isso que falta para dois pássaros abrirem as asas.
Pois a natureza humana é em muitos casos diferente das outras naturezas divinas. A cadeia alimentar muitas vezes não mata, apenas diFere.)

Só se quer ser feliz...
Muitas vezes não se sabe como.
O que se sabe é que deve-se estar de acordo com os princípios divinos que regem as forças do Universo.

Pode-se encontrar o amor ou pode-se encontrar tudo de melhor que alguém tem para proporcionar.


Tudo o que a alma pode oferecer, 
brindando com os corpos os desejos da carne.

Pode-se encontrar o amor pela verdade.
Pode-se encontrar o amor verdadeiro.
Pode-se eleger. Pode-se aguardar.
A fantasia e o mistério.
A realidade desvendada.

Se temos Deus, os amigos e a capacidade de sermos melhores a todo momento, então temos todas as possibilidades, inclusive a de sermos felizes. 

A cada dia perde-se um pouco de nada, ganha-se um pouco de experiência e não estagnamos. 

Mas se tememos a felicidade, acreditando em sua existência (pois não tememos o que pensamos não existir) e mesmo assim deixarmos o império do medo governar não conseguiremos tocá-la com o coração aberto, que me parece a única maneira de alcançá-la. 
A felicidade só é sensível ao pulsar firme e verdadeiro de um coração em paz.

A felicidade é mais do que um sentimento, é um dos significados da vida.
Perdoar com o coração é como reconhecer uma falha, é como se humanizar,
Perdoar é  reconhecer-se humano, alimentando o divino.

(É necessário se libertar de conceitos impostos por quem crê que é possuidor da sua felicidade, ouça seu âmago.)